top of page

Como fazer a gestão das suas finanças pessoais

O índice de endividamento pessoal e familiar tem crescido exponencialmente nos últimos anos no Brasil, e muito disso se deve pela falta de planejamento e gestão das finanças.

Organizar as finanças pessoais é um desafio gigante, principalmente se tratando de um país que disponibiliza poucos recursos e incentivos ligados ao tema.


Se pudesse elencar uma palavra-chave para iniciarmos esse assunto, esta seria planejamento. Sem uma visão clara de suas receitas e, principalmente, sem um controle de seus gastos, o resultado, na maioria das vezes, costuma ser catastrófico, fazendo com que as pessoas apelem para o parcelamento de suas dívidas (principalmente ligadas a cartão de crédito) ou recorrendo a empréstimos pessoais.


A Intrio preparou algumas dicas simples para te ajudar nesse planejamento pessoal. Vamos lá?


1 – Elabore um orçamento

Elabore uma lista completa com todos seus custos mensais fixos, como internet, aluguel, luz e água. Depois, calcule um valor médio que tais custos representam mensalmente. O valor encontrado costuma ser chamado de custo de vida.

Posteriormente, levante seus ganhos líquidos mensais. O que sobrar é o que você tem disponível para aplicar em custos variáveis, fazer uma reserva financeira etc.


2 – Tenha metas para um fundo de reserva

Ter um fundo de reserva mensal (economia) deve ser um objetivo.

Para isso, você pode determinar um valor mensal para reserva. Ao receber seu salário, já inclua essa reserva, separe-a imediatamente e de preferência separe esse valor em uma conta distinta àquela reservada para seu custo de vida.


3 – Fique longe dos gastos desnecessários

Quando for comprar algo, pergunte para si mesmo se tem condições de pagar, se realmente aquilo é necessário ou se você está agindo apenas no impulso. Por vezes, o consumismo e a vontade de comprar podem falar mais alto, mas é preciso se controlar, já que parece muito mais lógico não ter aquilo em mãos do que se endividar.


4 – Separe um valor para despesas anuais

Um dos erros mais comuns no planejamento financeiros é a preocupação apenas com gastos mensais e deixar de considerar as despesas anuais, como IPTU, IPVA e seguros. Esses gastos, se não programados, podem se tornar um grande problema em breve.


5 – Separar as contas profissionais das contas pessoais

Caso além de planejar suas finanças pessoais você possua uma empresa (pessoa jurídica), é de extrema importância que não ocorra “mistura” entre suas despesas e da empresa.

Inclusive, esse é um dos princípios contábeis mais importantes!

Para não ter esse problema, o ideal é abrir duas contas bancárias diferentes: uma para pessoa física e outra para pessoa jurídica. Com isso, você evita que as contas e rendas das duas de misturam.


6 – Use a tecnologia a seu favor

Existem inúmeros aplicativos (inclusive gratuitos) no mercado que podem te auxiliar nessa tarefa de programar as finanças pessoais.

Dessa forma, fica muito mais fácil registrar e controlar todos os gastos que fazem parte da sua rotina, sem contar que a grande maioria desses aplicativos exibe através de gráficos simples sua saúde financeira, facilitando seu entendimento.

Um bom exemplo é o GuiaBolso, facilmente encontrado na sua loja de aplicativos.


Kommentare


bottom of page